Sobre Orar e Vigiar


Há uma década atrás eu havia publicado uma sugestão de prática espiritual e o texto correu por aí. Mas como volta e meia ele ressurge, resolvi publicá-lo por aqui. Eu costumava escrever numa folha de caderno para as minhas consulentes que passavam por aquelas fases onde tudo dava errado ou nada parecia sair do lugar, juntamente com prescrições de banhos de limpeza energética. Esses casos eram (e ainda são) bastante comuns: na maioria das vezes, a procura por um atendimento holístico parte de uma suspeita de que alguém esteja jogando sujo, lançando algum feitiço ou por inveja. Conquanto o "feitiço" seja algo raro e a "inveja" seja mais comum, o entrave geralmente parte de dentro, da incapacidade de se manter a energia elevada. Aqui, quando falo "energia", devo elucidar que me refiro a uma disposição, um sentimento e uma proatividade, um impulso gerador de ação. Existem várias explicações para que nossa energia se desvie do foco, mas uma delas é a de que nossas mentes tenham evoluído para sobreviver: encontrar alimento, água, abrigo e descanso, e uma vez que isso está resolvido, nossas mentes se mantêm encontrando outros "problemas" para que possamos resolver. Em Ifá, há uma frase que gosto muito de manter em mente nos períodos de bonança: "e quando tudo estava bem, eles começaram a se comportar mal". Esquecemos o sentimento de gratidão por termos as nossas necessidades básicas supridas e até por ultrapassá-las. Passamos a nos comportar mal, ficamos orgulhosos e esquecemos a humildade, ficamos mais preguiçosos em honrar aqueles que forjaram nossos caminhos e passamos a voltar a nossa atenção às mágoas e queixas. Com estas atitudes, começamos a perder o que foi conquistado, pouco a pouco ou de repente, até que mais uma vez nos vemos de joelhos, perguntando o que fizemos de errado, questionando-nos sobre as razões de termos os "caminhos fechados", se somos vítimas de algum inimigo oculto ou da inveja alheia. Se a meta é o equilíbrio espiritual, a harmonia entre o coração, a mente e o Cosmo, precisamos desintoxicar os caminhos que nossos pensamentos, palavras e ações estão tomando, e não há um caminho mais direto do que a disciplina espiritual. A prática abaixo proposta é esta a seguir: Orai Você fará três listas com calma, tempo e dedicação. Uma delas, a lista A, será composta das pessoas que já o magoaram ou que ainda o magoam. A outra lista, a lista B, é composta de agradecimentos. Quanto mais detalhada for essa lista, melhor. Isso inclui aquelas coisas básicas, que temos por garantidas e às quais costumamos não dar o devido valor (como, por exemplo, alimentos, roupas, saúde etc.). Você já percebeu como temos a mania de abrirmos o guarda-roupa cheio de roupas e exclamar “não tenho roupas!” ou ainda a geladeira dizendo “não tem nada para comer”, mesmo que tenha em abundância e tão somente porque não haja ali o que queremos comer ou vestir naquela hora? Pois bem, é hora de agradecer o fundamental! A lista C é composta dos nomes dos nossos ancestrais, ou seja, dos nossos mortos, que são aqueles cujo sangue, carne e ossos foram os responsáveis por nos trazer à vida. Caso você carregue mágoas alguns deles, coloque-os também na lista A. A prática De manhã, acenda uma vela branca, que marcará o começo e o fim do seu pequeno ritual (você pode ofertar diariamente alguns alimentos para os seus antepassados, montar um altar, e isso não é obrigatório e nem segue um modelo fixo) Pegue a lista A e recite os nomes ali escritos: "eu perdoo e abençoo fulano." Deseje do fundo do coração que essa pessoa receba a recompensa divina que lhe cabe por ter servido ao papel designado a ela em sua vida. A princípio, você sentirá alguma resistência em perdoar e abençoar algumas dessas pessoas, mas conforme a sua compreensão se expande, este processo ocorrerá mais e mais facilmente. Este processo é chamado de "esvaziar o vaso". É importante lembrar que não cabe mais nada em você enquanto estiver guardando sentimentos negativos, que costumam ocupar bastante espaço e que se transformam em bloqueios energéticos que atrapalham os vários setores da vida, gerando, inclusive, desequilíbrios e doenças. É como querer colocar uma plantinha em um vaso cheio de pedras e esperar que ela floresça ali, sem espaço e com maus nutrientes. Nesta condição, nos tornamos pessoas maldosas, vingativas e invejosas, embora estejamos sempre em negação desses sentimentos.


e que se transformam em bloqueios energéticos que atrapalham os vários setores da vida, gerando, inclusive, desequilíbrios e doenças. É como querer colocar uma plantinha em um vaso cheio de pedras e esperar que ela floresça ali, sem espaço e com maus nutrientes. Nesta condição, nos tornamos pessoas maldosas, vingativas e invejosas, embora estejamos sempre em negação desses sentimentos. Quando você sentir que é capaz de apreciar - e até mesmo de agradecer - a lição trazida pelo "inimigo percebido", risque o nome da lista. E sim, você pode incluir o nome de pessoas que já faleceram nesta lista. O importante é ventilar este repositório de mágoas e perceber o quanto você superou e cresceu a partir destas experiências. Agora, pegue a lista B. Agradeça à Força Criadora (Deus/Deusa) tudo o que você possui, terminando com a seguinte sentença: eu agradeço (a graça que você deseja alcançar) que receberei hoje. Fale isso com ênfase e fé, visualizando seu desejo se manifestando. Cuide para ser bem específico. Exatamente como um gênio da lâmpada pode ser traiçoeiro, alguns desejos chegam de modo literal; então, faça o seu pedido bem detalhadamente. Preste atenção no seu dia, pois as oportunidades de alcançar o seu desejo surgem às vezes das formas mais sutis e inesperadas. Finalmente, tome a lista C. Recite os nomes lentamente e, então, peça aos seus antepassados, junto com a Força Criadora (Deus/Deusa), que o abençoem, que o tornem digno de prosseguir sua linhagem sanguínea/espiritual, sua continuidade, sua memória, e, assim, que o protejam contra a negatividade, para que nenhuma maldade encontre espaço dentro de você. A maldade dos outros não é sua responsabilidade, não é mesmo? Vigiai Esta é a parte mais desafiadora da prática: pelo período proposto de 30 dias, que será o dia de avaliar o que a prática tem trazido para a sua vida, você vai treinar a forma pela qual sua mente processa o mundo. Não se trata de olhar para a vida com positividade ou negatividade, mas de olhar a vida com interesse, sem cair em pré-julgamento. PENSAR MAL DE SI OU DOS OUTROS (JULGAR). FALAR MAL DE SI OU DOS OUTROS (MALDIZER). AGIR DE CONTRA SI OU CONTRA OS OUTROS (FERIR/CAUSAR DANO). Para que você acompanhe seu progresso, você pode anotar quantas vezes teve que fazer as correções propostas. Carregar uma caderneta no bolso ou anotar na agenda pode ser bem interessante. A cada mal pensamento, três pensamentos positivos devem ser trazidos imediatamente à mente, a cada maledicência, três qualidades devem ser ditas, e a cada ação negativa, três ações positivas devem ser realizadas. No início da prática, você verá muitas marcações, mas, ao final, você verá que a sua mente já não percorre essa via negativa com tanta pressa. Se desejar passar esta prática para outros, distribua-a à vontade. Há abundância no Universo suficiente para todos e a prática sincera fará, no mínimo, um mundo melhor para vivermos.