Do que você precisa?


As nossas emoções são essenciais para nossa sobrevivência. Não conseguiríamos aprender, nos proteger, comemorar sem elas. As emoções são o nosso norte mostrando o que precisamos.


É muito importante estarmos presentes para conseguirmos compreender o que ela nos quer transmitir. E para identificar, basta olharmos para o nosso corpo, respirar e se conectar com seu momento. Normalmente as emoções se expressam através de sensações no corpo como frio na barriga, aperto no coração ou aparente expansão do peito, percepção de um nó na garganta, facilidade ou dificuldade em respirar.


Se alguém te disse que é errado sentir as emoções, venho te dizer o contrário. Não se permitir sentir é muito mais doloroso e difícil para o seu desenvolvimento pessoal, social, emocional, mental, em tudo na sua vida. Quando damos atenção ao que sentimos, conseguimos atender nossas necessidades, sendo menos reativos e conseguindo nos relacionar melhor conosco e com as outras pessoas.


Sabe aquele papo de que existem emoções ruins? Então, não tem, na verdade as emoções precisam andar uma do lado da outra para que elas existam. Por exemplo, a alegria precisa da tristeza, como saberíamos que estamos alegres se nunca vivemos a tristeza ou o contrário. Assim, como a raiva e a tranquilidade, o que seria da calmaria sem a tempestade? Uma emoção precisa da outra para que possamos entender o que está acontecendo, além de nos ajudarem a lidar com as situações da vida.


Quanto mais você conseguir prestar atenção e conversar com suas emoções, mais fácil você vai conseguir se acolher, dando a si mesmo o que precisa naquele momento, seja chorar, pedir um abraço, comemorar, ficar sozinha, o que sentimos está a todo momento nos mostrando o caminho que precisamos trilhar para resolver qualquer problema ou situação. Ignorar as emoções e o que seu corpo expressa é o motivo que nos leva a tomar decisões e assumir atitudes precipitadas, em que nos arrependemos depois.


Mas como posso identificar melhor as minhas emoções?


Primeiro, tente dar nome ao que está sentindo. É raiva, alegria, medo, tristeza? Conseguiu responder, ok.


Agora vá para o segundo passo, se você está triste, consegue perceber o que causou essa tristeza? Se não consegue identificar, tire um tempo e viva a tristeza, chore se precisar, fique em um lugar onde ninguém vai te incomodar e deixe o seu corpo te comunicar o que você precisa fazer.


As emoções geram sentimentos. Veja: quando estamos tristes essa tristeza dá espaço a mais um monte de sentimentos. Por exemplo, você pode ficar triste porque ficou frustrado, impotente, chateado, entre outros. Uma dica: amplie o seu vocabulário de sentimentos, quanto mais você souber mais fácil vai ser de dar nome ao que sente, além de descobrir a sua necessidade, podendo assim lidar melhor com os conflitos internos e externos.


Não julgue o que está sentido, vivemos em uma sociedade que nos impõe muitas vezes que fiquemos alegres ou felizes, mas sabemos muito bem que isso é uma ilusão. A vida não é linear, ela tem seus altos e baixos, não mantemos o mesmo padrão de sentimentos. Em um mesmo dia você flutua e sente um número enorme de emoções, sensações e sentimentos. E ainda que você esteja num bom momento, conseguindo resolver vários problemas que aparecem não significa que você não pode se sentir triste, com raiva ou com medo.


Aliás, não dá para controlar o que sentimos. As emoções surgem muito rapidamente. Não adianta tentarmos controlar, este é um processo inconsciente. Lembra que eu disse que as emoções são importantes para a nossa sobrevivência? Nossa evolução psico-biológica fez com que milhares de anos atrás criássemos algo que hoje chamamos “medo”. Esta emoção tem o propósito de nos proteger, alertando que algo não está certo. Se uma fera pode surgir de um local fechado, ainda que ela de fato não esteja lá ou não exista, é melhor não correr o risco e sobreviver. Por isso, ainda hoje, seja a situação real ou não, quando nosso cérebro percebe algo que nos deixe inseguros ou que possa nos causar mau físico, emocional ou psicológico, sentimos medo. E algo parecido é verdade para cada emoção que sentimos ou possamos vir a sentir. Nosso corpo reage a diferentes estímulos de forma automática e dispara sensações em nós que não controlamos para nos ajudar a lidar com o ambiente e entender nossas necessidades naquele momento (ainda que seja a necessidade de fugir ou se esconder, por exemplo).


Então, nem adianta tentar domar seus sentimentos, ao contrário, dance com suas emoções, olhe para elas, acolha-as, aprenda com elas, e saiba lidar com elas. Cada emoção pede uma ação ou demonstra algo que você precisa naquele momento. Por exemplo, se você precisa de uma abraço e não recebe, talvez você fique com raiva, triste ou desgostosa - sentimentos não agradáveis gerados por algo que não foi atendido. Por outro lado, se você receber este abraço você poderia ficar alegre, contente ou se sentindo amada - sentimentos agradáveis gerados por uma necessidade atendida.


Mas talvez você ainda esteja se perguntando: “como eu realmente sei qual é a minha necessidade atual?”


Você identifica sua necessidade atendida ao perceber o que disparou um sentimento agradável. E você identifica sua necessidade não-atendida ao se perguntar o que modificaria este sentimento que não é agradável. O que eu preciso pra me sentir melhor agora? O que me faria bem nesse momento?


Ao se fazer estas perguntas, coloque suas mãos sobre seu coração, respire e deixe seu corpo falar, escute sua voz interna, ela vai te responder. Não tenha pressa, é um momento seu. Se você tiver a necessidade de um sentimento bom, pergunte-se o que pode fazer agora para gerá-lo. Foque em coisas que dependam apenas de você e não dos outros, afinal não controlamos o que eles farão, mas podemos sim modificar nossas ações para atender nossas necessidades atuais e futuras. Se dê tempo para pensar tudo isso e chegar a ação, um movimento.


Talvez você possa simplesmente tomar um suco, ler um livro ou até mesmo cantar. Ponha em prática, faça o que precisa. Agora, já, não espere. O que você ainda está fazendo lendo isso aqui?!