12 de jun de 2017

Orai e Vigiai


Esta disciplina espiritual foi compilada por mim em 2010, a partir dos meus estudos e práticas. Ela estava publicada aqui e ali, mas o tempo passou... e a coisa ficou lá para trás. Só que a prática continua sólida, as pessoas continuam me perguntando dela, e eu fico sempre na busca de onde a deixei arquivada. 
Então eu a estou republicando aqui. 

Sendo a meta o equilíbrio espiritual, esta prática se resume no encontro da harmonia entre o coração, a mente e o Cosmo através do uso livre – pragmático - da “Corrente Dourada do Ser”, ou como ficou conhecida, a “Lei da Atração”. Esta é uma fórmula que não somente fornece a chave do nosso direito divino à felicidade, mas como também nos informa de nossa responsabilidade pelo que atraímos para nossas vidas.

Vamos à prática:

Orai

Você fará três listas, com calma, tempo e dedicação.  Vamos falar de cada uma delas com muito cuidado aqui.

A lista A

A primeira delas, a lista “A”, é a lista de mágoas, e será composta de nomes de pessoas que já lhe magoaram ou que ainda te magoam. Esta é a lista mais desafiadora, é assim é necessária uma boa explicação.

Muita gente se confunde nesta lista, e orgulhosamente diz que não guarda mágoas ou ressentimentos (que são sentimentos decorrentes das mágoas). A própria palavra “mágoa” vem do latim “macula”, que significa “mancha”. A cada julgamento negativo que temos em relação a uma experiência, nos “manchamos” com um sentimento de pesar e amargura em relação ao veículo da experiência, o “outro”. Carregamos estas “manchas” tal como carregamos pedras dentro de um vaso (o nosso corpo), negando-nos muitas vezes a reconhecer sua presença ou peso. Só que a presença e peso destas pedras desconsideram o seu reconhecimento racional e se transformam obrigatoriamente em doenças e obstáculos às suas metas e sonhos até que você desperte para isto. Três reflexões são importantes aqui:
            1) “O mal não é nascido, mas criado”. Ninguém nasce ruim, e todos nascem bons e abençoados com potenciais diversos. Escolhe-se fazer um mal ao entrar-se eventualmente no papel de agente desta maldade. Todos nós, em algum momento da vida, fomos veículos de uma maldade, fosse uma pequena maldade ou não. O reagente, ou seja - a vítima desta maldade - carregará consigo esta mácula, esta “mancha” de maldade consigo, tornando-se potencialmente um veículo dela até que consiga se purificar disto. Que atire a primeira pedra quem nunca cometeu uma maldade.
            2) Para toda a vasta gama de energias que existem no mundo, existe sua manifestação apropriada. Existem aquelas que julgamos positivas e boas, como a da “abundância”. Contudo, tomamos “abundância” pelo valor de face e nos esquecemos que ela pode significar abundância de dinheiro da mesma forma que pode significar abundância de obstáculos. Da mesma forma, existem energias que são consideradas negativas, como por exemplo, o “medo”, mas o medo não é nosso inimigo. O medo é uma energia necessária quando nossa vida está exposta ao risco, e a energia que nos impede de saltarmos de um penhasco ou que nos acautela quando penetramos num quarto escuro. O medo pode ser negativo quando ele está fora do seu contexto útil, quando vem azedar as relações entre os humanos e quando nos faz vacilar em nossos passos. Existem muitas pessoas movidas pelo medo. Medo de serem julgadas, medidas, excluídas, esquecidas ou rejeitadas. Pessoas movidas pelo medo podem se manifestar com violência, e se sua vibração estiver próxima a destas pessoas, muito provavelmente você será o reagente.
            3) Todos nós nascemos com potenciais diversos. Exatamente para que possamos exercer nossos potenciais,  a experiência de vida é que forjará e afiará estes potenciais. Como vimos acima, nenhuma energia pode ser tomada como absolutamente boa ou como absolutamente ruim. Tudo o que recebemos de positivo da vida vem de mãos dadas com algo negativo. Aliás, quem nunca experimentou o amargo não é capaz de apreciar a doçura, não é? Quando não julgamos a energia e a abordamos com sincero interesse no aprendizado, edificamos nossos potenciais de forma pura, sem “máculas”, mantendo o padrão vibratório alto e vencendo qualquer forma de derrotismo. É só assim que nos tornamos agentes do nosso destino, habilitados a coletar os bons frutos da vida.

Assim, “perdoar” é o reconhecimento de que nem sempre estamos conscientes de nosso papel, porque às vezes somos agentes e às vezes somos reagentes. Às vezes somos agentes de experiências positivas e às vezes, de experiências negativas. Às vezes somos reagentes resistentes ao aprendizado e às vezes somos reagentes interessados. Nem sempre estamos conscientes sobre estarmos agindo de acordo com nossas “máculas”. De fato, muita gente ora assim: “perdoai-nos de nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos têm ofendido” sem nunca refletir na implicação disto, com seus corações pesados e mentes cheias de pensamentos perversos em relação àqueles que lhe ofenderam.
A lista é composta de nomes, que não precisam obrigatoriamente estar completos, nem os membros da lista necessariamente estarem vivos. Podem incluir pais e parentes. O importante mesmo é lembrar-se de cada dor que lhe foi imposta e refletir sobre cada uma delas. A recitação diária da lista na chave de “Eu perdôo e abençôo X” começa como um processo mental (e verbal), cuja meditação alcançará o coração com o tempo. Quanto maior for a mágoa, maior a libertação. Quanto maior for a libertação, maior é a remoção de obstáculos que te separam de suas metas e sonhos. Você sentirá muito profundamente o momento em que deve riscar cada um dos nomes desta lista. Não tenha pressa em fazê-lo. A honestidade consigo mesmo será verdadeiramente recompensada.

A lista B

A lista “B” é composta de agradecimentos.
Esta é uma lista de “graças”, de tudo o que temos e que constantemente temos por ‘garantido’ e que costumamos não dar o devido valor (como, por exemplo, alimentos, roupas, saúde, um teto para se abrigar, etc.). Você já percebeu como temos a mania de abrirmos o guarda-roupa cheio de roupas e exclamar “Não tenho roupas!” só porque não encontramos exatamente o que queremos vestir naquele dia, ou ainda, quando abrimos a geladeira dizendo “Não tem nada para comer”, mesmo que tenha tudo em abundância e só reclamamos porque não há ali o que queremos comer naquele momento? Pois bem, hora de agradecer o fundamental, e muito mais útil do que reclamar. De acordo com a premissa básica de toda esta prática, você é responsável em atrair tudo o que precisa. Desta forma, se você usa o seu verbo (sua expressão criadora) para reclamar, você só verá abundar motivos para reclamar.
A última linha desta lista deve constituir de um agradecimento por algo que você deseja alcançar naquele dia, pois ele “está chegando”. Esta é uma forma de reverberar seu desejo para o cosmo, atraindo-o para mais perto de você.
Agradeça a Força Criadora (Deus) a tudo o que você possui, terminando com a seguinte sentença: “Eu agradeço (a graça que você deseja alcançar) que receberei hoje”. Fale isto com ênfase e fé. Veja seu desejo chegando ali, na linha do horizonte. Cuide para ser bem específico. Exatamente como um “gênio da lâmpada” pode ser traiçoeiro, alguns desejos chegam de modo literal, então faça o seu pedido bem detalhadamente. Não peça por qualidades que você mesmo tem que forjar, como por exemplo, paciência. Isto pode ser cumprido com infinitas oportunidades para que você precise desenvolvê-la forçosamente. Preste atenção no seu dia, pois as oportunidades de alcançar seu desejo surgem das formas mais sutis e inesperadas.
A energia da gratidão é tão importante e tão poderosa que é capaz de mudar toda a realidade à sua volta. Ela eleva tão grandemente a sua energia que faz com que os ambientes e pessoas à sua volta reajam a você positivamente.
Uma vez que você aprender a elevar seu coração em “graças”, você é capaz de mudar toda a “química” dos relacionamentos com sua mera presença. Você será capaz de evocar este estado toda vez que sentir que é necessário, auxiliando a si e aos outros com isso.


A lista C


A lista “C” é composta de nomes dos nossos antepassados, ou seja, dos nossos mortos, que são aqueles cujo sangue, carne e ossos foram os responsáveis em nos trazer à vida (não se esqueça que caso você carregue mágoas de um deles, coloque-os também na lista “A”). Nossos mortos são a memória que carregamos no sangue e nossos potenciais e desafios chegam através deles. Sobre seus ombros caminhamos pela vida. Somos suas esperanças e assim, eles sempre torcem por nós. Especialmente a nossa cultura ocidental faz com que esqueçamos com absurda rapidez os nossos mortos. Eles partem num dia, e no outro, os enterramos rapidamente para nos lembrarmos eventualmente, até que suas memórias se apaguem quase que completamente. Mas como podemos saber caminhar rumo ao nosso destino se desconhecemos nosso passado? Colete com sua família o nome de seus antepassados, inclua todo mundo, até os tios falecidos se possível. Caso você seja adotado, adote a linhagem da sua família adotiva. Se souber a linhagem de sua família biológica, inclua-a.
Você recitará os nomes, lentamente, e se os conheceu, tente lembrar-se deles. Peça então aos seus antepassados que juntamente com a Força Criadora do Universo (Deus/Deuses), para que lhe abençoem e que lhe tornem digno de prosseguir suas linhagens sanguíneas e/ou espirituais, suas honras e memórias. Assim, que lhe protejam contra a negatividade – a sua e a dos outros. Como portadores da memória das eras, eles são responsáveis pela sua estabilidade na jornada pela Terra. “Honrarás Pai e Mãe”, nesta prática, toma outra dimensão, não é?


A Prática

De manhã, acenda uma vela branca – que servirá apenas para marcar o começo e o fim do seu pequeno ritual – e coloque em oferta um copo de água ou café sem açúcar para os seus antepassados.

Você recitará as listas, usando as chaves abaixo:

Chave da lista A:  “Eu perdôo e abençôo X”

Chave da lista B: “Eu sou grata à Força Criadora por X, Y, Z e agradeço (a graça que você deseja alcançar) que receberei hoje”

Chave da lista C: “Eu honro a memória de X, Y, Z e peço que me auxiliem para que eu caminhe graciosamente pelo mundo”

Esta disciplina leva apenas cinco minutos do seu dia, e deve ser executada pela manhã para prepará-lo para o seu novo dia, onde você enxergará o mundo com renovado interesse. Agora vamos para a segunda parte da prática, que é essencial para que a primeira parte cumpra efeito.


Vigiai

Esta é, sem dúvida, a parte mais desafiadora da disciplina:

Primeiramente, marque no calendário a data em que você começou a disciplina. Conte a partir daí 30 dias, que é o período onde você deve se comprometer a levar a prática à risca. Depois destes dias você mesmo fará uma avaliação dos benefícios que esta prática trouxe à sua vida e decidirá pela adoção dela como um estilo ou filosofia de vida ou não. Nestes 30 dias você carregará consigo um bloco de notas, onde anotará um traço (ou “x”) cada vez que:

PENSAR MAL DE SI OU DOS OUTROS (JULGAR)
FALAR MAL DE SI OU DOS OUTROS (MALDIZER)
AGIR DE CONTRA SI OU CONTRA OS OUTROS (FERIR/CAUSAR DANO)


Nestes dias:

Toda vez que você tiver um pensamento negativo sobre você (ex.:“Ah, como sou tolo!”) pense imediatamente em três pensamentos positivos sobre você (ex.: “Pensando bem, sou uma pessoa prática, bem resolvida e feliz”). Como ninguém é completamente ruim, certamente você será capaz de encontrar outras três qualidades nos outros e fazer o mesmo sobre eles. Isto obrigará o seu cérebro a prestar mais atenção no seu padrão de pensamento, deixando-o atento para não cair “automaticamente” na criação de padrão negativo. Já reparou que raramente temos um pensamento bom sobre as outras pessoas e muito freqüentemente somos preconceituosos? – Não se esqueça de marcar no bloco de notas toda vez que o padrão negativo surgir.

Toda vez que você chegar ao ponto de verbalizar algo negativo sobre você, você se obrigará em verbalizar três coisas positivas sobre você. O mesmo você fará em relação aos outros. Isto obrigará o seu cérebro a prestar mais atenção no que você vai falar, deixando-o atento para não cair “automaticamente” na criação de padrão negativo. Já reparou que raramente temos uma palavra boa sobre as outras pessoas e muito freqüentemente as criticamos sem necessidade? – Não se esqueça de marcar no bloco de notas toda vez que o padrão negativo surgir.

Toda vez que você agir contra si, se sabotando (fazendo coisas que lhe prejudicam), você se obrigará a compensar-se com três ações que são benéficas para você. O mesmo você fará em relação aos outros. Isto obrigará o seu cérebro a prestar mais atenção antes de sua ação, deixando-o atento para não cair “automaticamente” na criação de padrão negativo. Já reparou que raramente tomamos responsabilidade de nossas ações negativas que executamos sem a menor consciência? Eis aqui uma boa chance para você exercitar ações positivas, consigo e com os outros, começando por tomar responsabilidade pelas coisas que você faz. – Não se esqueça de marcar no bloco de notas toda vez que o padrão negativo surgir.

É importante ressaltar que não podemos julgar os outros de acordo com os nossos padrões de ética e moral. Lembre-se que sob a luz do sol e sob a quietude da lua, todos nós estamos tentando acertar de alguma forma. E então vamos lembrar da estória de Procusto (da mitologia Grega) para exemplificar isto:

“Procrusto era um bandido que vivia na serra de Elêusis. Em sua casa, ele tinha uma cama de ferro, que tinha seu exato tamanho, para a qual convidava todos os viajantes para se deitarem. Se os hóspedes fossem demasiados altos, ele amputava o excesso de comprimento para ajustá-los à cama, os que tinham com pequena estatura, eram esticados até atingirem o comprimento suficiente. Ninguém sobrevivia, pois nunca uma vítima se ajustava exatamente ao tamanho da cama. Ele continuou seu reinado de terror até que foi capturado pelo herói ateniense Teseu que, em sua última aventura, prendeu Procusto lateralmente em sua própria cama e cortou-lhe a cabeça e os pés, aplicando-lhe o mesmo suplício que infligia aos seus hóspedes.”

Quantas vezes julgamos as pessoas através dos nossos “moldes”. Quantas vezes agimos mal com os outros só porque eles falham em se encaixar em nossas grandes expectativas?
Esta prática é a forma mais eficaz de se alcançar seus sonhos, tudo o que você deseja na vida, além de fornecer uma muralha segura contra as más energias (incluindo más energias alheias que possam ser direcionadas a você). Nos primeiros dias você pode sentir certa resistência do mundo, como se todas as energias estivessem lhe desafiando fortemente, contudo, isto deverá passar lentamente, e você terá a oportunidade de encontrar, finalmente, toda a felicidade que você merece e tem direito, pois não nascemos para sofrer. Lembre-se que por  “Lei da Atração” podemos entender o antigo provérbio “Semelhante Atrai Semelhante”, pois quando vibramos más energias (julgamento maldoso, a maledicência e a má ação), atraímos exatamente isto para nossas vidas. Compare semana a semana o seu bloco de notas, que certamente apontará uma direção nova. Você verá o número de pensamentos negativos, palavras negativas e ações negativas diminuírem drasticamente. Quanto menos marcas houver ali, maior a indicação que o nível de consciência frequencial aumentou.

Se desejar passar esta prática para outros, distribua a vontade. Há abundância no Universo suficiente para todos, e a prática sincera fará, no mínimo, um mundo melhor para vivermos.


Um comentário:

Rodrigo Nascimento disse...

Magnifico esse Blog, que post maravilhoso... Bons tempos, esse blog já foi um gigante e ainda tem poder, venho muito aqui em momentos mágicos onde a arte faz-se maior em minha mente do que as preocupações quotidianas.
Obrigado por ter colocado esse post de volta, acabei de ler e percebo que estou tendo um inicio de dia magico.
Bençãos Fraternas a Todos!